Instituições com baixa capacidade de realizar mudanças e inovações sempre dizem aos seus jovens colaboradores cheios de ideias, que a corporação já vem fazendo algo parecido. Encaram esse furor juvenil de inspiração como inexperiência de quem nunca esteve de fato segurando o volante.

Li outro dia que uma jovem chegou a uma seleção da nestle com uma nova receita de biscoito ou coisa do tipo. O que as gerações atuais querem é criar novas parcerias de trabalho, participar de uma rede colaborativa e desenvolver um portfólio de inovações. Não é uma questão de assumir o volante. É uma questão de ajudar a pilotar um mundo cheio de mudanças.