O departamento de recursos humanos das organizações de vanguarda vêm se tornando tão estratégico quanto o oxigênio de qualquer corporação, a gestão das finanças. Ser uma organização grande, com influência e bastante dinheiro não é mais garantia de manutenção do sucesso. Organizações que desejam continuar fazendo a diferença e ingressar na sociedade do conhecimento precisam demonstrar capacidade de inovação. E isso só acontece com talentos trabalhando juntos. É essa a visão do consultor Ricardo Neves.

Nesse sentido, organizações que sofrem com evasão de talentos talvez não venham a desaparecer, pelo contrário, elas podem até ficar maiores, com bastante presença, inchadas. A diferença é que elas tendem a deixar de ser um sucesso e passem a ser boas no ramo de fazer sucesso, com um número cada vez maior de pessoas bem intencionadas e pouco capazes de mudar as coisas. Não é assim em grande parte do cenário político? Há bastante dinheiro, influência, tiriricas bem intencionados, milhões de votos, muita demagogia e zero mudanças.