Há hoje no Brasil uma geração batalhadora que trabalha de dia e estuda a noite e que acredita em um Brasil melhor. Grandes acontecimentos, como guerras e catástrofes funcionam com fortes marcos aglutinadores de talentos e ideais em torno de um projeto nacional. Foi assim, por exemplo, com os EUA nas duas Grandes Guerras Mundiais.

Ouvi esse insight pela primeira vez em uma entrevista com o professor Mangabeira Unger, a época Ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Talvez esse evento no Complexo do Alemão, na cidade do Rio de Janeiro, tenha esse significado, com uma ocupação objetiva e o apoio da população.

Obviamente, existem outras questões como o crescimento das milícias e as dúvidas acerca da utilidade das UPP’s apenas para um projeto de cidade olímpica. Entretanto, conforme disse o deputado estadual pelo Rio, Marcelo Freixo, esse é um momento propício para um repactuamento entre a população carioca em torno da construção de políticas públicas que fechem as históricas feridas de pobreza e violência no Rio de Janeiro