Google, Facebook, Twitter, negócios pequenos e inovadores que tornaram-se bilionários. Parece que o reino das grandes corporações está fadado ao fim, por toda a sua burocracia e blá, blá, blá. Não é o que vai acontecer nos próximos anos. Segundo a revista The Economist os próximos 25 anos, serão propícios para as grandes empresas e organizações desde que elas consigam reter talentos e mantenham um rítmo de inovações. Isso porque os países emergentes em franco crescimento econômico tenderão a valorizar organizações que já possuam um renome e inspirem confiança. As oportunidades serão múltiplas, basta os elefantes saberem dançar.