Em entrevista a revista ‘e-metropoles’ a Professora Drª. Anne-Marie Broudehoux, que leciona como na Escola de Design, na Universidade de Quebec à Montreal, traz alguns ‘insights’ para que de fato o Rio de Janeiro se torne um modelo social e ecológico de cidade olímpica. Para tanto, precisamos estar conscientes de que:

1) Criticar os Jogos Olímpicos ou a Copa não significa ser contra o Rio ou ao Brasil.

2) Detonar os pobres das suas casas e bairros têm sido uma constante nos últimos jogos olimpícos, seja na ditatorial China ou no democrático Canadá.

3) Esse papo de legado soa algo positivo, mas concretamente falando, isso ainda é um grande blá, blá, blá. O famoso ‘Ninho do Pássaro’ na China está fechado inclusive para eles, os pássaros.

4) Os apartamentos da ‘Vila Olímpica’ deveriam ser vendidos para as pessoas de classe média alta???

5) Os megaeventos agregam ao país um novo status internacional e podem ser a plataforma para se reinventar o conceito de cidade olímpica, respeitando o meio ambiente e as pessoas.

Veja a entrevista completa com a professora Anne-Marie na revista e-metropolis