Outro dia conversei com um colega que estava se preparando para concursos públicos. Perguntei sobre a possibilidade de se trabalhar no setor privado na sua formação de administrador. A alegação factível é que o currículo dele era eliminado de cara nos programas de trainee, entre outras coisas pela qualidade de sua universidade. Por outro lado também se sabe que o pessoal dos programas de trainee também andam com dificuldades de reter seus talentosos selecionados provenientes de boas universidades.

Estamos sendo preparados para o ‘emprego dos sonhos’ em um período em que ele não existe mais. E é difícil conviver com isso no curto prazo. A universidade não prepara mais os jovens para isso. As organizações por sua vez ainda mantém a crença de que mais funcionários significam mais resultados. O líder da amanhã está se formando longe dessas instituições, enquanto ele descobre que o emprego dos sonhos não existe ou é uma chatice.